Enrique Ramirez | Chile / França

É artista visual. Trabalha com filme, vídeo, fotografia e instalação, em obras que buscam reintroduzir o elemento humano em distopias contemporâneas. Temas como deslocamento, exilio e a descontinuidade da memória são explorados em sua obra através de elementos contemplativos como vastas paisagens, água, brisas, enquanto espaços geopoéticos abertos ao trabalho da imaginação subjetiva. É formado em Comunicação Audiovisual com bacharelado em Estudos Fílmicos pelo Instituto de Artes y Comunicación Arcos, Santiago do Chile, e Mestre em Arte Contemporânea e Novas Mídias pelo Studio National Des Arts Contemporains Le Fresnoy, Tourcoing, França. Realizou mostras individuais como Cartografías para navegantes de tierra, Galería Die Ecke, Santiago, Chile (2012); De latitudes en portrait, Galerie Jeune Création, Paris (2013); Los Durmientes, Les modules, Palais de Tokyo. Paris, (2014), dentre outras; e participou de festivais e mostras coletivas como a Bienal de Video y Nuevos Medios, Santiago, Chile (2003/5/7); European Art Media Festival, Osnabrück, Alemanha (2011); Bienal de Sharjah, Emirados Árabes Unidos (2011); Media Arts Biennale, Museo de bellas artes, Santiago, Chile (2012/3), dentre outras. Vive e trabalha entre Paris e Santiago do Chile.

Pacifico | 2014, vídeo

Pacifico mostra um mar agitado, noturno e, aparentemente, indecifrável. Sem referências que o localizem, é um fragmento indefinido do oceano. Embora tenha admitido a brutalidade de suas ações durante o regime militar de Pinochet, o exército chileno nunca revelou o paradeiro de suas vítimas. A maioria é identificada como tendo sido “atirado/a ao mar”, ou seja, irrecuperáveis. Em Pacifico, o mar torna-se uma memória que assombra em silêncio a noite da história.

artistas selecionados pelo edital de obras