Ali Cherri | Líbano

É artista visual, mestre em artes performáticas pela DasArts, Amsterdã, Holanda, 2005. Sua produção transita entre vídeo, instalação, performance, multimídia, objeto e impressão. Em suas obras, aborda a fragilidade da situação geopolítica do Líbano e dos países vizinhos com frequentes reflexões sobre a dimensão sublime da catástrofe. A partir de relatos históricos e pessoais, investiga uma violência ainda não elaborada pelo político, ou por algum indivíduo particular, explorando as fronteiras entre o real e o virtual, o físico e o digital. Suas obras circulam entre o circuito da arte e os festivais de cinema, tendo sido exibidas na Bienal de Fotografia de Helsinki, Finlândia (2014); Tate Modern, Londres, Inglaterra (2013); Home Works 6, Beirute, Líbano (2013); Festival de Cinema Berlinale, Berlim, Alemanha (2013); Festival Internacional de Cinema de Toronto, Canadá (2013 e 2012); Museum of Modern Art, Nova York, EUA (2012); Centre Georges Pompidou, Paris, França (2011); Contemporary Image Collective, Cairo, Egito (2009); 52ª Bienal de Veneza, Itália (2007); Manifesta, Amsterdã, Holanda (2005); entre outros. Vive e trabalha entre Beirute e Paris.

The Disquiet | 2013, vídeo

As quatro falhas geológicas que atravessam o território do Líbano geram instabilidade só comparável, em tempos modernos, aos intermitentes reveses bélicos e políticos experimentados pelo povo do país – que, de resto, fica no Oriente Médio, uma das regiões mais conturbadas por conflitos do globo. O artista usa uma poderosa analogia para comentar situações cujo impacto sobre o tecido social só se compara à incomensurável (e incontrolável) sanha destruidora da natureza. 

artistas selecionados pelo edital de obras